16 de janeiro de 2010

Nostalgia

Nostalgia ...
... aquele momento ...
... aquele instante ...
que agora ressinto e pressinto
mas que não vejo, nem sinto.
Cá dentro, uma mística sensação
que me faz sentir bem,
sentir alguém.

Nostálgico, a lembrança de velhos tempos,
de bons velhos tempos em que união parecia perfeita, uma harmonia singela, arguta e cortante, tão cortante que acabou mesmo por cortar laços e fitas de uma coalescência que parecia amorosa, que parecia inquebrável.

Agora que o encanto persiste e resiste, e que cuja magia se virou contra o feiticeiro, fez dele quem ele hoje é.
Aprendeu a amar-se, pois não há amor mais verdadeiro do que amar-se a ele próprio.