6 de junho de 2011

Sufrágio

Prerrogativa, o ponto que se faz ao virar a página, de papiro leve e frágil e que lentamente se vira, sem que de pó se faça. Esse ponto onde tudo gira e nada roda, onde tudo se une e nada se prende. Onde tudo parece voar alto e bem próximo, onde as ilusões são o pensamento recriado, e as desilusões a realidade ilustrada. A vida que por ser como ela é, precisa de pontos e mais pontos, tropeçar e levantar, errar para aprender, um sorriso de dor para um suspiro de alegria.