16 de setembro de 2011

Fremiu


Penso em ver-te quando não te tenho, ter-te, ignorar-te quando te vejo.
Não digo ou finjo e escondo dentro de mim, nem com musicas ou filmes, ate palavras e frases que são as mais difíceis! Mas são assim tão banais?


Muito mais não posso fazer, e é melhor não. Senão, que viria depois? 
Estranho para mim não seria, para ti talvez. 
A mim uma simples demonstração de amor, a ti mais um amor por demonstrar.

Quanto mais pensas nela, pior ...

Esta coisa tão subjectiva e imaterial, que tanto dá hoje, como amanhã desaparece, ah paixão, és fácil de controlar, mas a outra que se faz e constrói e que fica e perdura, amor, é muito difícil de explicar. 
Eu cá lhe sinto.
 E não é mau de todo mas é doloroso, ou estranho ou impensável. 
Não sei, sei que não o sinto porque o digo, e porque não o faço.

Talvez um dia goze, talvez um dia acorde contigo. E espero sim um dia, acordar de tudo!