31 de agosto de 2012

Poét

Já pensei em ser como tu, mudar-me contigo, fechar os olhos e sentir a ausência.
 Penso como seria visto, à luz dos outros, pelas pupilas dos seres, sentido e vivido pelos sete mares, visto da terra ou do céu. Será que seria mais amado? Seria eu, um ente querido para sempre esquecido, ou um esquecido para sempre querido. Nasceria nesse momento ou morreria em vão?
Quando te der a mão, vou querer saber.